Dandy Ace Review: Sempre haverá um mágico melhor que você

0

Dandy Ace, o segundo projeto da desenvolvedora brasileira Mad Mimic, e distribuído por Neowiz, conhecida por publicar Skul: The Hero Slayer e Metal Unit. O novo roguelike de ação nos leva um mundo colorido da mágica com sarcasmo de seu impetuoso e sem talento vilão Lele.

Por ser um jogo com grande potencial, a desenvolvedora quis aproximar os brasileiros para uma nova imersão convidando influenciadores nacionais para dá voz aos personagens do jogo. Entre eles estão os nomes conhecidos do público gamer, incluindo VinieMattos, BKRsEDU, LJoga, Patife, Kalera e Gabi Catuzzo.

A inveja ultrajante de Lele

O enredo é simples e contado pelo próprio vilão. Se você estivesse frente ao verdão, capaz de entregar sua roupa do corpo pela comoção. Não aguentando o sucesso de Dandy Ace, ele faz um pacto com um espelho amaldiçoado e transporta o astro para um mundo de turbulentas masmorras. Essas masmorras, alteram de lugar toda vez que Ace morre. Vale ficar atento para esse detalhe.

Dandy precisa usar seu arsenal aleatório de cartas de feitiços e bugigangas para chegar mais longe a cada ato, desbloqueando e coletando itens benefícios ao longo das tentativas. Entendendo a trama nossa jornada começa!

O ÁS do Baralho

O jogo tem pixel art muito bonito e bem polido, realmente é de apreciar o capricho dos designers. Os fãs de rogue-like podem sentir uma certa facilidade ao iniciar sua primeira experiência em Dandy Ace. As mecânicas são simples e logo pegamos o “timer” de cada combate nos minions que vão surgindo pelos calabouços. Começamos sempre com cartas aleatórios, no total de 4 slots “principais”, sendo a primeira do dash (fundamental para esquivar dos ataques) e as outras duas são aleatórias. Assim como, em um dos quatro slots de “atualização”.

Esses slots adicionais são habilidades ativáveis, intercalando em cartas de sua preferência de atualização e adicionam vários efeitos a essas habilidades; incluindo veneno, projéteis e encantamentos, adquiridos com suas ajudantes. Claro! Lele não ficou satisfeito somente em trazer, Ace, suas duas ajudantes Jolly Jolly e Jenny Jenny foram raptadas.

Controles e hitbox

Soa engraçado controlar um ilusionista utilizando truques para passar por cada labirinto cheio de criaturas boçais sedentas para aniquilar intrusos. Por demais, os embates são frenéticos, quando o local está repleto de lacaios fica até desesperador. Pois, na versão que obtive em mãos, os hitbox do protagonista não estavam precisos, mesmo aguardando o tempo de carregamento para utilização de cada carta.

Embora, iniciamos no nível normal o problema da manipulação do primeiro impacto do hitbox — referem-se à área invisível em um modelo onde personagem é atingido por ataques —, pode dificultar um pouco da experiência do usuário.

Ao controlarmos ACE, alguns ataques imprecisos podem ser frustrante se não for direcionado corretamente nos minions, que surgem no quadrante. Não entre em desespero, utilize o tempo correto de cada carta, para efetuar seus ataques—; abuse da carta dash. Será sua salvação! Falando nisso, as cartas de baralho possuem decks variados sendo um truque melhor que o outro.

A Mad Mimic, visando uma imersão fora dos jogos tradicionais, trouxe o modo “Magic Mirror“, que permite a qualquer espectador do jogo via Twitch assumir o controle do vilão Lele durante transmissões. É até desleal com o jogador que controla Ace, — sabendo que tratando-se de Lele nada é cordial.

Dublagem Tupiniquins

Se há algo que mencionei nesta publicação, é sobre a dublagem em português. No último ano, foi quando obtive o primeiro contato com o game. Até então, era com áudio em inglês e legendas em português do Brasil. Ao alternar para o idioma português quando comecei elaborar esta análise —, confesso que senti uma certa diferença para assimilar as vozes com os personagens. Apesar disso, o humor imposto é agradável, mas, não diversificado, tornando Lele repetitivo. Sim, você dará risadas durante a narrativa do jogo com as falas do excêntrico mágico em final de carreira. Depois de ler o comentário acima, e está pensa em remover o áudio, não adianta. Já que são as falas insanas que proporcionam toda graça da trama.

Sarcástico como sou, aconselho ficar de ouvidos abertos e sentir as vibrações dos trocadilhos que só os brasileiros têm! — Afinal, quem foi que jogou o cupcake.

Trilha Sonora mística

Antes que perguntem, quão magnífico é a trilha sonora, de fato ela é suave e agradável como um clima de picadeiro, com o grand finale de apresentação do número principal. Representando um doce toque de mística esotérica dos retrowaves na busca da batida perfeita.

Gamerdito (Veredito)

Seja como for, Dandy Ace foi um verdadeiro trabalho de puro amor pela equipe de desenvolvedores brasileiros e pela comunidade que acreditou no projeto. O mercado nacional necessita de mais trabalhos inspiradores e investimentos para o brasil ser um polo em desenvolvimento de games.

Por fim, a franquia tem tudo para decolar e com um espaço para acrescentar novas atualizações e DLCS, dificilmente abordo o assunto. No entanto, acredito que uma opção cooperativa tornaria o jogo mais intenso. Se gosta de um bom jogo de ação e aventura e estar preparado para morrer muitas vezes, esse é o jogo certo para você!

Dandy ace

  • Lançamento: 25/03/2021
  • Plataformas: PC
  • Preço sugerido: Comprar
  • Classificação indicativa: Para maiores de 10 anos
  • Desenvolvimento: Mad Mimic
  • Publicação: Neowiz Games
Dandy Ace: Dandy Ace é autêntico e uma franquia que veio para ficar!Jefão Calheiro
7.5
out of 10.
2021-03-25T11:48:00-0300

Gamernéfilos, comente aqui!

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.