Review: Prince of Persia: The Lost Crown

Confira nossa análise do novo jogo da Ubisoft de uma das franquias mais consagradas de todos os tempos em Prince of Persia: The Lost Crown

Compartilhar:

spot_imgspot_imgspot_imgspot_img

Nesta análise da review de Prince of Persia: The Lost Crown, marca-se um novo capítulo na clássica franquia, trazendo um aguardado retorno após um hiato de 14 anos sem um novo jogo. Não colocaremos spoilers no sentido de evitar que você perca o vislumbre da imersão agora em Metroidvania. Ao longo de sua história, os jogos anteriores evoluíram do 2D para o 3D, incorporando novas mecânicas e estilos de jogabilidade. No entanto, em “The Lost Crown“, a Ubisoft faz uma homenagem às raízes da série, reintroduzindo o estilo “2.5D” de exploração, repleto de parkour e armadilhas características que marcaram a essência dos jogos clássicos da franquia.

Uma dessas introduções e um sentido que remetem ao clássico é a confirmação do próprio diretor Mounir Radi, em entrevista para o MeUGamer; comentando sobre o sentimento de nostalgia que ele tinha ao jogar com seus amigos quando mais novo. Essa essência continua na “A Coroa Perdida“, porém, mais sagaz e brutal em relação aos demais títulos da saga. Ao término desta publicação há um vídeo com os minutos iniciais em introdução para Prince of Persia: The Lost Crown.

Um novo herói surge para preservar a surpresa e a experiência dos jogadores, vamos evitar detalhes profundos sobre a história do jogo. Num enredo distinto dos antigos jogos, somos apresentados a Sargon, o novo protagonista personagem recrutado pelos Sete Imortais devido à sua audácia ao desafiar o maior guerreiro da Pérsia, tornando-se o novato do grupo. Após anos de treinamento, os Imortais se veem envolvidos em uma guerra contra um poderoso general determinado a depor a Rainha Thomyris do trono da Pérsia.

Sargon se destaca ao derrotar o general, o que leva a uma celebração pela vitória dos Imortais. Em agradecimento, a Rainha Thomyris concede a Sargon a faixa real, a mais alta distinção de honra. Ademais, durante a festividade, um leal guerreiro da Rainha sequestra o Príncipe Ghassan, conhecido como o Príncipe da Pérsia. Os Imortais, liderados por Vahram, partem rumo ao Monte Qaf, onde se suspeita que Ghassan tenha sido levado. No entanto, ao chegarem lá, são confrontados por eventos surreais: distorções temporais e traições emergem entre o grupo.

Diante dessa realidade fragmentada, Sargon se vê diante do desafio não apenas de resgatar Ghassan, mas também de lidar com as complexidades de um mundo onde o tempo se desfaz e a lealdade é posta à prova. Dada essa pequena introdução da trama que envolve justiça, traição e redenção, adentraremos no jogo!

A Exploração é crucial

The Lost Crown oferece dois modos distintos de jogabilidade. No modo de exploração, os jogadores são imersos no mapa sem informações explícitas ou “pings” que indiquem a localização dos objetivos. Nesse cenário, a exploração se torna uma jornada de descoberta, onde os jogadores devem vasculhar o ambiente em busca dos objetivos sem indicações claras sobre o caminho a seguir. Já no modo guiado, todas as informações são disponibilizadas de forma mais explícita. Ícones representativos, caminhos disponíveis e bloqueados são destacados, tornando a exploração mais prática e direcionada. Esse modo oferece uma orientação visual que facilita a navegação pelo cenário, proporcionando aos jogadores uma experiência mais assistida e menos desafiadora em termos de descoberta e exploração.

Além dos modos de jogabilidade, The Lost Crown oferece uma experiência flexível com quatro níveis de dificuldade distintos. Para aqueles que desejam apreciar principalmente a história, o modo “Iniciante” oferece uma jornada mais suave, sem muitos obstáculos. No nível “Guerreiro“, encontra-se um equilíbrio entre aventura e acessibilidade, enquanto o nível Herói desafia habilidades e estratégias dos jogadores. Já o nível “Imortal” é reservado para os mais experientes, proporcionando um estímulo extremo, onde cada erro pode ser fatal.

Cada um desses oferece opções de personalização adicionais. Os jogadores podem ajustar configurações específicas, como aumentar o dano causado pelos inimigos, reduzir o dano recebido e explorar outras configurações para criar uma experiência de jogo personalizada, adaptada às suas preferências e habilidades individuais. Essa flexibilidade permite que cada jogador encontre o equilíbrio ideal de instigação e diversão.

O grande foco do jogo é a exploração, repleta de armadilhas e caminhos complexos que podem levar a retrocessos significativos no percurso. O game destaca o sistema de parkour, demandando corridas, pulos precisos sobre obstáculos, escaladas e manobras de suspensão. Os jogadores precisam usar sua criatividade e habilidades para descobrir salas secretas que escondem recompensas valiosas, essenciais para enfrentar inimigos com mais sucesso. No entanto, nem todas as salas são recompensadoras. Há diversas salas e portas falsas espalhadas pelo ambiente, e entrar inadvertidamente pode ser fatal.

prince of persia 17
Review: Prince of Persia: The Lost Crown 12

Ao longo do caminho, nos deparamos com diversos quebra-cabeças (puzzles); um adendo sendo o que fez esta franquia ser aclamada. Há também aqueles que exigem habilidades especiais, como o uso do Chakram e acrobacias variadas. Para desbloquear essas habilidades, é necessário progredir na história e reunir as penas de Simurgh, outrora guardião da Pérsia ao lado do Rei Darius (Dario). Entre essas habilidades está a capacidade de criar uma sombra, permitindo retornar a um local específico para evitar armadilhas ou contornar habilidades de chefes que são impossíveis de desviar normalmente. Há também a habilidade de saltar duas vezes consecutivas e executar um avanço no ar, fundamentais em momentos cruciais da jogabilidade.

Muitas vezes, é preciso retroceder e revisitar locais já explorados para encontrar uma nova entrada utilizando as habilidades recém-adquiridas. Essa mecânica de “voltar e reexplorar” abre novas possibilidades, revelando passagens secretas ou estratégias alternativas para progredir na aventura.

Durante sua exploração, você se deparará com grandiosas árvores Wak-Wak estilo de Bonfires em Dark Souls, adornadas com folhas douradas. Nestas árvores, encontrará entidades reminiscentes similar das máscaras do jogo Crash Bandicoot, que estarão lá para oferecer auxílio e dicas valiosas ao longo da jornada. Além disso, essas árvores têm a capacidade de restaurar e recarregar suas poções de vida. Entretanto, em um estilo que lembra jogos do gênero Souls-Like, a volta dos inimigos no mapa é uma realidade.

O essencial é localizar estas árvores, pois caso venha a sucumbir e receber o famoso clássico “game over” (sim, há uma tela com esse nome), retornará à árvore mais próxima. Curiosamente, essas árvores não servem apenas como pontos de cura e recarga, mas também funcionam como pontos de salvamento do jogo, oferecendo uma espécie de ponto de ressurgimento ou checkpoint para a sua aventura.

Além das habilidades e das árvores, os amuletos são peças-chave que proporcionam aprimoramentos e melhorias temporárias ao personagem. Para obtê-los, é necessário desvendar baús escondidos em locais secretos ou completar missões secundárias, que serão detalhadas mais adiante. Esses amuletos oferecem uma ampla gama de benefícios, como incremento do dano aéreo, invocação de uma ave que emite sinais sonoros especiais quando há colecionáveis ou baús próximos, e diversos outros que conferem vantagens ao longo da jornada. Cada amuleto oferece uma vantagem estratégica, podendo ser crucial para o sucesso da sua aventura.

Entretanto, nem tudo são facilidades: os amuletos possuem limites de slots, o que significa que você pode carregar apenas um número limitado deles de uma vez. Felizmente, é possível liberar mais slots ao descobrir salas secretas durante a exploração. Essa busca por espaços adicionais para amuletos acrescenta uma camada extra de desafio e incentiva a exploração minuciosa dos ambientes do jogo.

O refúgio é um santuário seguro para Sargon, um lugar onde ele pode se recuperar das suas explorações e batalhas. Esse local abriga NPCs que oferecem benefícios em troca de cristais, a moeda essencial do jogo. Primeiramente, encontramos a Jovem Fariba, não apenas no refúgio, mas também em locais secretos pelo Monte Qaf, vendendo mapas por 50 Cristais.

The Mage é outra presença importante, oferecendo melhorias para suas poções, desde o aumento da quantidade que você pode carregar até aumentos na efetividade das poções de vida, além de vender uma variedade de itens. Para aprimorar seus equipamentos, como espadas e arcos, temos a Kaheva, uma ferreira habilidosa. E por último, mas não menos importante, Artaban oferece treinamento especial e recompensa Sargon com cristais por completar os desafios propostos por ele.

prince of persia 1
Review: Prince of Persia: The Lost Crown 15

Esses NPCs são fundamentais para a evolução de Sargon e aprimoramento das suas habilidades.

As areias do tempo são o pilar de Qaf

Na busca pela derrota de seus inimigos, Sargon é habilidoso no manejo de duas espadas simultâneas. Essas lâminas permitem a execução de combos elaborados ao pressionar o botão de ataque várias vezes em rápida sucessão. A destreza de Sargon se revela não apenas na variedade de seus golpes, mas também na capacidade de direcionar seus ataques para cima e para baixo, adaptando-se à direção escolhida do oponente. Essa mecânica de combate é uma homenagem evidente aos jogos de luta em 2.5D, reforçando a experiência visceral e estratégica do enfrentamento.

Além dos ataques encadeados, Sargon domina o intricado sistema de parry, permitindo-lhe defender-se habilmente de golpes normais desferidos por seus adversários. Aliás, há uma classe de ataques que se revela inevitável ao bloqueio, requerendo uma esquiva ágil e precisa para evitar o impacto devastador. Uma particularidade intrigante desse combate é a presença de golpes que desafiam até mesmo as defesas mais habilidosas.

No entanto, Sargon descobre ao longo de sua jornada uma habilidade única, permitindo-lhe desviar desses ataques ao mergulhar nas sombras momentâneas, um movimento que se torna parte integral de sua estratégia conforme avança na campanha principal do jogo. Esta técnica requer maestria e timing preciso para ser executada, mas oferece a oportunidade de escapar de ataques que, de outra forma, seriam inevitáveis.

Para os jogadores que optarem por desfrutar da experiência no PC e possuírem controles de Playstation 4Playstation 5Xbox OneXbox Series X|S, o jogo oferece suporte completo para esses dispositivos. Especificamente, no caso do controle DualSense do PS5, são ativadas funcionalidades exclusivas para aprimorar a experiência de jogo. Se estiver curioso como um usuário na versão de PC Windows, nesta página possuímos maiores detalhes para os requisitos mínimos e recomendados de sistema.

Paisagens e a beleza Pérsia

The Lost Crown opta por uma estética “cartoonizada”, o que contribui para a beleza visual do jogo na maior parte do tempo. Essa escolha estilística proporciona um charme único e uma atmosfera adornada. A abordagem visual cartunesca muitas vezes realça a narrativa e os elementos do jogo, adicionando um aspecto distintivo e atraente à experiência. No entanto, mesmo com essa estética encantadora, em alguns momentos específicos, o jogo pode parecer um tanto quanto inconsistente graficamente. Alguns cenários podem pecar ao apresentar uma falta de detalhes ou uma aparência menos refinada, o que pode contrastar com a beleza encontrada em outras partes do jogo.

A trilha sonora de “The Lost Crown” desempenha um papel fundamental em complementar a estética visual e o gameplay do jogo. Em sua maior parte, ela se integra de forma excepcional à atmosfera, enriquecendo a experiência do jogador. No entanto, em certos momentos, a escolha de estilos musicais mais modernos pode ter causado uma ligeira quebra na imersão.

A expressão facial dos personagens durante os diálogos é limitada, geralmente apresentando apenas imagens estáticas acompanhadas por texto. Isso cria uma experiência em que a comunicação entre personagens é predominantemente transmitida através de ilustrações estáticas, sem a representação detalhada das expressões faciais. Embora haja certa escassez nesse aspecto durante os diálogos, as animações em momentos específicos, especialmente durante o uso de habilidades, são mais presentes e oferecem um padrão mais aceitável. Essas animações, embora não sejam excepcionais, fornecem um nível de detalhe que permite aos jogadores visualizarem melhor as habilidades em ação, agregando dinamismo às interações e aos combates.

The Lost Crown proporciona momentos envolvente e dinâmica, onde a história se torna mais desafiadora à medida que avança. A progressão no enredo é acompanhada por um aumento no desafio do jogo, mantendo os jogadores engajados e oferecendo uma experiência cada vez mais desafiadora e gratificante. Essa evolução na dificuldade conforme a história se desenrola contribui para aproximar o jogador pela trama, mantendo os jogadores motivados a explorar e superar os obstáculos, tornando a experiência ainda mais cativante.

Em minhas considerações finais sobre “The Lost Crown”, destaco a verdadeira gratificação proporcionada por essa experiência agradável. Mesmo optando pelo modo guerreiro (normal), me deparei com desafios consideráveis durante as batalhas contra chefes, inicialmente parecendo uma montanha intransponível. No entanto, à medida que enfrentava inúmeras derrotas, ficou claro que esses adversários seguem padrões previsíveis, permitindo que a superação dos desafios desencadeasse uma sensação de conquista genuína. Certos chefes destacaram-se pela imponência e complexidade, tornando cada confronto memorável e recompensador.

Apesar de alguns bugs ao longo da aventura especialmente em um quebra-cabeça específico com uma parede não possuía física, esses incidentes não foram tão frequentes a ponto de comprometer significativamente a jogabilidade. Fique ciente, que tivemos acesso antes da versão final do título, onde os desenvolvedores lançam uma atualização de correção em seu lançamento oficial.

Os combates, sobretudo contra inimigos com escudos que demandavam estratégias específicas, introduzindo sensações nostálgica! Contudo, é válido observar a notável repetitividade dos combos ao longo do tempo, uma escolha compreensível, dada a clara inspiração nos jogos de luta e “Castlevania“. Devemos lembrar que o título não possui orçamento de um AAA, mesmo sendo desenvolvido pela Ubisoft Montpellier de jogos como Rayman Legends e Beyond Good and Evil.

A presença de puzzles que exploram nossa capacidade mental, proporciona uma pausa na ação, inserindo uma camada adicional de complexidade e diversidade ao jogo. Para quem busca uma experiência mais fluída, a opção de ativar uma assistência para atravessar automaticamente pode ser útil. Embora, sugiro encarar os desafios sem essa ajuda, elevando o nível de dificuldade e, por consequência, tornando o jogo mais intenso e divertido.

Gamerdito (Veredito)

Por fim, “Prince of Persia: The Lost Crown” é uma obra que equilibra habilmente desafios, conquistas e uma narrativa sólida. Recomendo vivamente essa jornada, capaz de adicionar horas de jogatina, amando, desejando e odiando —; caso não tenha paciência em derrotar os chefões…(risos). Os quebra-cabeças continua como o ponto alto deste novo jogo da série. Explore cada local e saboreando um conto não contado sobre esta mítica cultura Pérsa!

Fecho está análise da revisão do jogo com uma nota 8.


Agradecemos a Ubisoft pela liberação da chave do jogo para nossa análise.

Prince of Persia: The Lost Crown: O clássico ainda é preservado com adições de metroidvania, juntando o útil ao agradável!gusta_feltes
8
out of 10.
2024-01-11T14:00:30-0300

Gamernéfilos, comentem aqui!

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Direto do Forno

Artigos interessantes