Watch Dogs: Legion - Juntos somos uma legião - Review - PS4
Watch Dogs: Legion - Ubisoft

Watch Dogs: Legion foi desenvolvido pela Ubisoft Toronto e publicado pela Ubisoft, ambientado em um mundo aberto, situado em uma Londres futurista, com visão em terceira pessoa, onde podemos controlar vários personagens recrutáveis e que podem morrer de forma definitiva dentro da história.

O grupo haker Dedsec marca sua presença, desta vez, combatendo um regime autoritário que tomou conta de Londres, utilizando um sistema de vigilância avançado chamado ctOS. Para combater o regime autoritário, o grupo recruta membros pela cidade, cada um com suas habilidades e experiências pessoais, adicionando uma influência mais dinâmica a narrativa do jogo conforme a história avança.

Quando Watch Dogs: Legion foi lançado, a primeira coisa que me veio a mente foi a animação de players de todo mundo, quando o mesmo foi anunciado na E3 em 2019. O conceito de recrutamentos aleatórios, despertou a atenção de players do mundo todo, com a inovação que estaria presente na nova versão de Watch Dogs.

Iniciamos o jogo com o único personagem que será escolhido como parte da história introdutória e este personagem acaba definindo os eventos que te levarão ao mundo de Watch Dogs. A DedSec acaba sendo culpada por uma série de bombas plantadas em Londres, fazendo com que os habitantes passem a odiar o grupo, tornando os membros ainda mais “invisíveis”.

Após esses ataques, os corruptos assumiram posições de controle, elevando o grau de brutalidade presente nas ruas. Uma empresa de segurança chamada Albion, utiliza força policial corrupta e drones para manter as pessoas sob controle.Mary Kelly, chefe de uma facção, tem o controle do submundo e a pergunta que fica é o que eles querem? Porque tentaram incriminar a DedSec?
Cabe a DedSec, neste momento, se reformular, recrutando os melhores agentes e investigando em alguns dos lugares mais perigosos da cidade em busca de respostas.

Caminhando por Londres….

Inicialmente, o jogo oferece uma personalização do personagem o qual iremos explorar Londres, contando com cerca de 15 perfis dos mais diversos e divertidos.
Quem acompanha a saga de Watch Dogs, sabe que os jogos anteriores estavam mais focados em seus protagonistas e em “Legion”, não existe mais um foco principal. Em vez de focar na personalidade dos personagens e como a história os afeta, “Legion” se concentra em personagens intercambiáveis, dependendo de suas habilidades.

Apareceu alguma missão que requer o uso de drones? Selecione alguem que saiba lidar com eles de forma profissional. Uma missão que necessita de furtividade? Selecione um assassino ou alguém que tenha atuado como espião.
Porém, nem todos os personagens estão ali para seem recrutados. Alguns necessitam que você faça um certo favor, para que ai sim, o personagem apareça como disponível para ser recrutado.

Seus dias de atirar alguém de um prédio terminaram…o foco é a furtividade, contudo, o combate corpo a corpo estará ali se precisar. De início achei difícil o ritmo na luta. Entre atacar e desviar, levei um tempo até aprender. Em relação a tiroteios, eles funcionam e são precisos. A curva de aprendizado é curta, algo aprimorado em relação aos jogos anteriores.

Todos os personagens parecem ter suas próprias habilidades, estilo e voz, mas soam repetitivos e sempre escutamos frases parecidas de outros membros da DedSec. Os personagens são importantes, devido as suas habilidades especiais e dependendo de como podem ser utilizados nas missões. De certa forma, isso torna essa “Londres” futurista uma cidade vazia e a idéia de não haver , teoricamente, NPC´s, tem lá suas limitações.

Jogos da Ubisoft são famosos por mundo aberto gigantescos, com muitos objetivos, espalhados por todo canto. Londres é repleto deles. Os chamados “pontos técnicos” estão em áreas um tanto quanto complicadas, necessitando um esforço maior. Esses pontos podem ser usados para aumentar o nível de seus gadgets,armas, hacks e atualizações. Completando missões também temos acesso a tais itens, mas a forma rápida de encontrá-los é rastreá-los no mapa.

Quando iniciamos as missões, contamos com dois membros principais da DedSec que são Sabine Brandt , a última sobrevivente da equipe original da DedSec de Londres e Bagley, um sofisticado IA , que adora fazer piadas e também ajuda com suas dicas. Eles são responsáveis por marcar pontos de referência e marcar reuniões. No combate, você atua sozinho. O habitual celular, utilizado nas versões anteriores, agora deu lugar a uma roda composta por armas e habilidades. Cada arma e habilidade sendo únicas para nosso recruta, não podendo ser utilizada por outros personagens.

A escolha do agente certo é importante no jogo, ainda mais se marcamos a opção de “morte permanente”. Esta opção faz com que o personagem morra sem chances de volta. No caso de uma morte, sem a opção de morte permanente marcada, nosso recruta temporário é preso ou ferido, ficando o personagem bloqueado no jogo com um cronômetro próximo ao perfil. Devemos, então, recrutar um advogado ou um paramédico. Ao adquirir um desses dois personagens, o tempo de cura ou saída da prisão é encurtado. Esse recurso adicional torna o jogo realista e é uma forma de valorizar os talentos especiais que cada um possui.

Os Gadgets são um destaque a parte, a aranha robô de Watch Dogs 2 está de volta! Os drones são importantes, podemos rackear vários após subir de nível. O mais interessante de todos é o drone de carga. Este robô enorme permite que você suba em cima dele para que possa alcançar lugares mais altos. É um ótimo recurso quando não conseguimos alcançar lugares mais altos, e também é ótimo para observar a cidade por cima. A Londres de Watch Dogs Legion é bonita. Captura a energia e a vida da cidade em suas cores certas. Porém, alguns detalhes técnicos poderiam melhorar….

Observando os detalhes….

Para meu espanto, alguns detalhes do jogo, saltaram a tela e não pude deixar de notá-los, sim, vamos adentrar ao belíssimo mundo dos gráficos, muitas vezes, polêmicos.
Carros…não vejo razão pela qual os carros sejam representados de forma tão ruim no jogo. Todos são irregulares, a câmera dispara atrás deles nas curvas. Na maioria das vezes optei por ligar a direção automática.

Visualmente, devo admitir, esperava mais. A implementação do “Ray Tracing” ou rastreamento de raios (simplificando, um sistema usado para melhorar a iluminação em jogos), indica mais sinais de perda do que de ganhos no caso de Watch Dogs: Legion. Minha experiência no PS4, foi nitidamente afetada durante os momentos de reflexo, principalmente durante o dia, relacionado a iluminação. Talvez o desempenho no PS5 ou até mesmo em um PC com opções de alta performance como a Ultra, melhorem significativamente o resultado do jogo. No PS4, não ajudou.

Watch Dogs: Legion chega em um momento em que a nova geração está no mercado e o jogo conseguiu explorar o máximo que o PS4 poderia oferecer. Presenciei alguns problemas de queda na taxa de quadros, acabamentos que deveriam ter sido melhor modelados, assim como reações estranhas nas ruas, como alguém dando socos sem motivo algum, ou personagens desaparecendo sem explicação na minha frente. Personagens principais e que estão no cenário não são bem modelados, algo que soa como se tivessem entregue o jogo as pressas…, Ok, são elementos que podem ser minúsculos comparados a tudo que o jogo tem a oferecer.

Visualmente, o trabalho de recriação de Londres, com seus marcos famosos e bairros bastante conhecidos, dá vida ao jogo. Para quem não conhece Londres, é como se estivéssemos lá, em um local repleto de prédios, ruas, veículos. O jogo, a noite, com todos seus defeitos, fica lindo, principalmente quando chove e você observa o reflexo nas poças. As luzes de neon, holográficas, lançam seu brilho por onde passamos.

Acho que escutei algo….

Watch Dogs: Legion tem uma trilha sonora repleta de músicas licenciadas e os podcasts gravados que merecem ser escutados. A dublagem foi bem executada, sem maiores problemas.Os ruídos na cidade, o som de carros passando, tudo tem um toque de realidade.
Aparentemente, o compositor Stephen Barton, optou por uma abordagem relacionando o jogo a gêneros musicais pelos quais Londres é conhecido. Fatboy Slim, Foals, The Chemical Brothers, Gorillaz, Bring Me The Horizon, Lily Allen, entre outros, cestão na trilha sonora. É uma mistura eclética que combina com o melhor que o Reino Unido tem a oferecer.

Gamerdito

Watch Dogs Legion ousa ao sair de sua zona de conforto, talvez a nova fórmula necessite de ajustes, assim como todas as grandes inovações. “Legion” não é apenas sobre hackear drones e utilizar roupas diferentes, aborda, acima de tudo, problemas importantes também relacionados a nossa sociedade. Opressão, extorsão, injustiça, todos esses elementos são conhecidos por nós. Um dos motivos que podemos ser qualquer um neste jogo, é que o problema é comum a todos e juntos, formamos uma legião. O game entrega uma tarefa gigantesca ao novos jogadores e aqueles que já conhecem o universo de Watch Dogs. A ousadia, diria, ganhou contornos de um pequeno triunfo…que poderia ser ainda maior.

Acertou =)

Londres é linda
O recrutamento de uma boa equipe funciona
Muitas atividades para serem realizadas
O jogo te da liberdade total
Puzzles divertidos
Grande variedade de personagens e habilidades

Precisa Melhorar ;/

Falas repetitivas demais
Missões poderiam ser melhores
Muitas falhas que prejudicam a performance do jogo
O contexto mundo aberto da Ubisoft pode soar repetitivo
Tempo de loading irregular
Modelagem de veículos deixa a desejar, assim como a associação de câmera

Watch Dogs: Legion - Juntos somos uma legião - Review - PS4: ""Legion" não é apenas sobre hackear drones e utilizar roupas diferentes, aborda, acima de tudo, problemas importantes também relacionados a nossa sociedade..."vanessaferreira
8
out of 10.
2020-11-24T18:06:59-0300

Gamernéfilos, comente aqui!

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.