Belfast crítica opinião é bom?
Belfast (Divulgação)

Kenneth Branagh é hoje um diretor e ator consagrado. Ele se notabilizou como uma pessoa dedicada aos clássicos de Shakespeare; depois ele mostrou sua versatilidade para vários gêneros e estilos, indo de Hamlet a Harry Potter.

Belfast é um projeto pessoal e autobiográfico de Kenneth, acalentado há vários anos e só agora transformado em realidade. Em entrevistas, Kenneth revelou que a pandemia o incentivou a levar em frente esse projeto. É uma das apostas para o Oscar desse ano, concorrendo a sete estatuetas, incluindo filme, direção e roteiro.

Com poucos diálogos, Belfast leva o espectador a Belfast de 1969 nos olhos de uma criança de uns 8 anos. Da noite pro dia, vizinhos que conviviam normalmente passam a viver dias de terror com a eclosão da violência entre protestantes e católicos. A inocência da infância é maculada a partir daí. Mesmo assim, ela teima em florescer, apesar do mundo se fragmentando ao redor.

O relacionamento com a família, em especial com os avós é um grande destaque do filme. Além do dia a dia na escola e fora dela. O contraste da juventude de hoje, imersa no mundo virtual, com as crianças dessa época não tão distante assim é brutal.

O filme mostra como as crianças sentem o que ocorre a sua volta, mesmo sem se expressar verbalmente.

O elenco casa perfeitamente com o filme. Não somente a sempre rainha Judi Dench, mas todos os atores, incluindo o jovem protagonista Jude Hill.

Belfast é um filme corajoso. Intimista, rodado quase inteiramente em preto e branco. A cor é usada somente para mostrar a Belfast atual e alguns detalhes de poucas cenas ao longo do filme.

Com certeza é um filme que vale a pena ser visto para quem curte um drama intimista, e real.

Nota do Crítico: 4/5.

Você também pode acompanhar o MeUGamer nas redes sociais: Instagram, Twitter, e se inscrever no nosso canal do YouTube.

icon

Gamernéfilos, comente aqui!

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.