Thor: Ragnarok |
© 2017 Walt Disney Pictures − All right reserved.

Thor Ragnarok: Veja a nossa crítica do filme.

 

Thor

 

“Thor Ragnarok, um filme que cumpre o que prometeu. Nem mais e nem menos!”.

O longa se desenvolve bem, e mantém sua pegada ao decorrer das suas 2 horas e 10 minutos. O primeiro ato foi bem construído de forma que consegue prender a atenção de todos na sessão. Cheio de piadas feitas pelo próprio protagonista, e logo depois, seguido por cenas de pancadarias e mais piadas.

O Filme que nos é apresentado pelo diretor Waititi, tem uma pegada bem diferente dos primeiros filmes da franquia “Thor”, deixando de lado aquela ideia de um filme completamente sério, e, trazendo o filme Thor: Ragnarok para a identidade de filmes da Marvel atualmente. A transição do primeiro ato para o segundo, ocorre de forma coerente, não deixando o roteiro perder a pegada ou morrer.

A história leva Thor (Chris Hemsworth) e Loki (Tom Hiddleston) ao planeta Sakaar, onde Thor sem o seu Mjölnir, terá que aprender a utilizar o seu real poder. E onde tudo isso começa? Na ótima batalha na arena contra o Hulk (Mark Ruffalo), que é considerado um grande guerreiro de Arena do planeta Sakaar, possuindo grande admiração do Gandmaster (Jeff Goldblum).

 

 

Logo depois desse incrível começo, o roteiro começa a jogar o fatos de forma um pouco rápida demais. Isto faz com que o terceiro ato se torne algo simples de se resolver. A resolução do filme acaba se tornando o famoso clichê dos filmes de herói, seguindo a seguinte fórmula:

“O herói se encontra com o vilão, então o vilão dá uma surra no herói. O herói descobre a real identidade do que ele é, e então tem todos os poderes para derrotar o vilão”

O que nos surpreende é o plano que Thor tem para deter Hela (Cate Blanchett), que nos entrega uma boa vilã, deusa da morte. O plano é simples, deixar que o “Ragnarok” se conclua, única forma de deter Hela. No fim de tudo, o plano de concluir o Ragnarok consegue deter Hela, a deusa da morte, e consegue salvar Asgard.

 

 

Ponto Negativo: Vale a pena assistir ao filme nos cinemas, contudo vale dizer que o filme não chega ao nível de Guardiões da galáxia; e, também não chega a ser o melhor filme da Marvel. Thor Ragnarok nos faz rir e muito mais, o que não significa que isso o torne um filme excelente. Ele apenas é um filme bom.

Ponto Positivo: Muitas coisas salvam o filme. Além das piadas, Thor Ragnarok conta com cenas incríveis, que me deixaram arrepiado na cadeira do cinema. Uma delas foi a cena das Valquírias, que mistura combate em câmera lenta com tons escuros, uma verdadeira poesia da fotografia. O filme é divertido, não sendo confuso ou cansativo como os seus antecessores. Ele vai ao ponto e, consequentemente, cumpre o seu papel. Um bom filme de aventura para assistir com a família.

O longa tenta trazer um pensamento reflexivo, todavia acaba sendo rápido demais para o público se envolver, deixando apenas com que Thor tenha esse “insight” e descubra de onde realmente vem seu poder. Ragnarok, mostra que assistir um filme do Thor pode ser divertido, diferentemente, de seus chatos longas antecessores. Então se você ainda não assistiu a Thor Ragnarok, recomendo que vá logo se realmente quer se divertir. Porém se o seu intuito for comparar com situações de HQs; talvez se decepcione um pouco, pois não é o foco do filme ser um fan service ou algo do tipo.

 

Deixei seus comentários sobre o novo filme da Marvel.

 

 

 

 

Gamernéfilos, comente aqui!

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.