O videogame e suas influências no desenvolvimento dos jovens – parte 1

O videogame e suas influências no desenvolvimento dos jovens - parte 1
 

Com a invenção do computador começa a era tecnológica, que por sua vez, em meados de 1961, surge no MIT ( Massachusetts Institute of Technology), o primeiro jogo eletrônico como teste de limite da máquina PDP-1 ( Programmed Data Processor-1), em que Steve Russel cria o jogo Spacewar, um simulador de batalha entre duas naves espaciais, o qual se espalhou por outras maquinas e acumulou fãs. Um em especial , chamado Nolan Bushnell, estudante de engenharia de Utah, que em 1971 viria a desenvolver um jogo inspirado no spacewar, o jogo Pong, em que as naves davam lugar a duas raquetes e uma bola, numa espécie de pingue-pongue virtual. 

Spacewar!
Spacewar! 1961 Martin Graetz, Stephen Russell, e Wayne Wiitanen / Foto divulgação MIT.

Com a madeira de alguns caixotes, o inventor construiu um gabinete e colocou a engenhoca, operada por moedas de 25 centavos, em um bar local. O jogo vez tanto sucesso que Bushnell fundou a Atari, a empresa dominou o mercado de jogos eletrônicos no ano de 1980, incentivando o aparecimento de novas empresas para o ramo de jogos eletrônicos, o que perdura até os dias atuais. Nolan, em 1974, enfrentou problemas judiciais sendo acusado de plágio. A empresa Magnavox argumentou que a Atari infringiu as patentes Ralph Baer sobre a criação do jogo Pong. Ambas empresas fizeram um contrato para que a Magnavox tivesse o direito sobre os produtos desenvolvidos pela Atari no decorrer das próximas produções.

 

Atari, Nolan Bushnell e Pong
Nolan Bushnell e com arcade de Pong / Foto divulgação internet

Tempos atrás, jogar videogame era sinônimo de perda de tempo ou até algo prejudicial ao aprendizado e aos relacionamentos das crianças e adolescentes, nos dias atuais, os games tomaram um patamar evolutivo de meros 0101 para sofisticados filmes, histórias, interatividade, permitido ao usuário a possibilidade de agilidade, coordenação, raciocino lógico, apreender com frustrações e atenção. Hoje os jogos tecnológicos estão presentes em testes de seleção para trabalho e mesmo nas salas de aula, provando que, se houver equilíbrio, eles podem ser benéficos para o desenvolvimento de habilidades e competências importantes aos jovens.

Jovens desenvolvedores

Uma remuneração nesta área que vai de R$ 4 mil a R$ 20 mil.

Segundo estudos, o ato de jogar vídeo game aumenta a capacidade seletiva e visual do indivíduo. Assim, essas pessoas tendem a ser mais rápidas na hora da tomada de uma decisão. Várias empresas têm recorrido aos videogames e jogos de tabuleiro em seus processos seletivos, verificando a atenção e personalidade dos candidatos. Hoje, podemos contar com a formação de Jogos Digitais ou Design e Planejamento de Games, nas instituições de ensino, que varia de uma remuneração nesta área que vai de R$ 4 mil a R$ 20 mil, onde estudantes podem atuar como programadores e Game Designers, a diversão sendo transformada em um futuro profissional promissor para muitos jovens.

 

Videogames nas escolas
Videogames nas escolas / Foto divulgação Nintendo

Na educação já existe até um termo para a união entre games, “gamification”, isto é, a captação de conhecimento por meio dos jogos, que mostra que quando se cria um jogo envolvente ao estudante, ele desenvolve uma necessidade de saber e o ajuda a assimilar o conhecimento de forma orgânica. Em sua maioria, o conteúdo é desenvolvido em inglês, o que faz com que os estudantes passem a ter maior contato com a língua inglesa, assimilando aos poucos novas palavras e construções verbais para incluírem ao vocabulário, melhorando também a capacidade de entendimento de textos no outro idioma. Os jogos de videogame fazem com que os alunos criem estratégias para alcançarem os objetivos propostos pela plataforma.

Desta forma, são obrigados a tentarem de diversas formas e, por isso, tendem a pensar de maneira mais ampla. Transferindo para a escola, o aluno provavelmente irá tentar solucionar uma questão e, se não conseguir, tentam novamente, com uma nova estratégia em mente. À medida que os estudantes se dedicam a um jogo, começam a criar uma lógica de motivação própria. Para conseguirem avançar de fase precisam pensar em boas estratégias e aprimorarem a forma como jogam. Assim, essa habilidade é transferida para o dia a dia, fazendo com que busquem seus objetivos de vida com mais garra e determinação, a aplicação de games em sala de aula, demonstra que independente formalidade de educação tradicional, o aluno consegue aprender de forma dinâmica o mesmo conteúdo. Proporcionando para aqueles estudantes que se sentem desmotivados, uma maior aproximação com seu dia a dia, com sua realidade, muitas vezes, inteiramente virtual.

Videogame Família diversidade
Videogame Família diversidade / Foto divulgação internet

O videogame pode ser útil para unir a família, não apenas por ter possibilidade de jogos em grupo, mas porque permitem que os pais se envolvam no universo da criança. Pais e filhos ganham juntos, perdem juntos e se divertem juntos. Isso aumenta a cumplicidade e a parceria.
Esta é a nova era do aprendizado, games e conteúdo didático unidos, para uma melhor formação dos jovens de hoje.
Permitir uma nova visão de mundo, obter conhecimentos sobre esta nova metodologia de ensino e proporcionar uma chance a essa nova interação, tratá resultados satisfatórios e uma nova visão do que os games tem a oferecer.

 

Gamernéfilos, no próximo texto trataremos sobre os jogos que podem ser utilizados para a educação e sua aplicabilidade.  Gostou do texto deixe nos comentários suas opiniões.


Star Wars: 4 De maio amazon



Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.