Fury Unleashed  é um jogo estilo roguelike desenvolvido pela Awesome Games Studio onde acompanhamos Fury, um cara que tenta salvar o mundo e enfrenta uma variedade de inimigos em 4 diferentes tipos de quadrinhos. Em cada quadrinho, encontramos um tema diferente de história: no primeiro, enfrentamos alguns esqueletos um tanto quanto diferentes por uma floresta; no segundo, temos que enfrentar uma base secreta repleta de nazistas; no terceiro, uma nave-mãe repleta de aliens e no último quadrinho, um level cujo final é repleto de mistérios.

Conforme progredimos, adquirimos uma série de equipamentos, para poder combater os chefes no final de cada nível.Tudo no jogo faz alguma referência aos quadrinhos, a forma como nossa localização no mapa é exibida em formato de um painel de quadrinhos, até mesmo o recurso de uma tinta preta para desenhos que utilizamos para subir algum nível. Elementos assim ajudam a proporcionar um estilo bem interessante ao jogo.

Fury Unleashed permite uma série de personalizações, sejam relacionadas  a elementos visuais, ou até mesmo a forma como preferimos jogar. Podemos ajustar diferentes mecânicas para o jogo, como exemplo, um modo auto fire ou quantidade de sangue que será exibido na tela. Outro recurso interessante, é o Assistente de mira (Aim Assist) tornando o jogo mais acessível aos novatos.O movimento do jogo é fluido, com vários movimentos desde salto duplo, sprint e stomp de ataques.

O sprint é um recurso o qual não considero a melhor escolha dos desenvolvedores, os cenários são relativamente pequenos e em muitos momentos, me perguntei da real necessidade de tal recurso para transpor os obstáculos.

Em combate podemos utilizar armas de longo alcance e armas corpo a corpo. Uma habilidade e um tipo de granada especial também podem ser utilizados. Armaduras são úteis, e podemos compra-las em fornecedores ou encontrando baús escondidos em cada nível.

O desbloqueio de habilidades também está presente com uma árvore de habilidades bem detalhada. Todas essas opções associadas tornam o dano e a resistência do personagem bem elevada e podem ser importante dependendo do estilo de jogabilidade.

O jogo beira a nostalgia em sua mecânica, onde pulamos plataformas para cima e para baixo enquanto atiramos em inimigos. Eu, que cresci nos anos 80, adorava e ainda adoro esse estilo de jogo. Os controles são simples, sendo fácies de serem gravados.

Os inimigos e as armadilhas nos cenários podem ser bem mortais, caso não tome o devido cuidado. Por ser tratar de um jogo estilo “roguelike” a morte será permanente e caso morra, terá que partir do início.  Esse game foi um dos mais acessíveis que joguei. Devi a escolha de dificuldade, é ideal para os novatos nos jogos roguelike, que necessitam de um tempo de treinamento maior.


Em relação aos níveis, cada um foi projetado como uma sala, onde podemos nos deparar com uma espécia de chefe de menor porte ou até mesmo um chefão sem esperar. As salas são aleatórias e essa sensação de tensão incentiva o jogador a percorrer todos os corredores em busca de fortes emoções.

Conforme exploramos diferentes salas, podemos encontrar missões paralelas, fornecedores e salas ocultas. As viagens rápidas estão presentes e são bastante úteis, onde podemos viajar na entrada de qualquer sala pela qual já tenhamos passado. As viagens são acessadas no mini-mapa em formato de quadrinhos.


Algumas salas requerem um certo tipo de combinação para serem acessadas, quanto mais inimigos conseguimos matar sem tomar danos, teremos combos ativos para acessar salas específicas. Baús, fornecedores e desafios  só ficam visíveis quando exploramos o mapa. Missões secundárias possuem armas adicionais. Baús escondidos fornecem armas e armaduras. Vendedores fornecem bençãos ou atualizações que podem permanecer ativas.

Elementos de RPG estão presentes no jogo, onde armas tem status diferente, assim como dano e tempo de recarga, além de efeitos de status e habilidades especiais. Temos espaço para 4 equipamentos diferentes: cabeça, ombro, peito e pé, aumentando nossa chance de sobrevivência, porém a combinação de armas também é essencial para ajudar na jogabilidade.

A música é excelente, definindo bem o cenário para cada história em quadrinhos, porém os efeitos sonoros poderiam ser melhores. O efeito do tiro em algumas áreas parece satistafório, em outras um tanto quanto abafado. O jogo peca pelos poucos elementos sonoros relacionados ao personagem e pode soar um pouco silencioso em momentos os quais não deveria.

Os gráficos fluem de forma limpa, conforme mencionei acima, o estilo em quadrinhos é um dos destaques do jogo. O visual 2D é ótimo, claro, que por se tratar de um jogo indie, o investimento foi limitado, mas em nada deixa a desejar a jogos no estilo de grandes estúdios.

O diferencial fica com conta da mistura dos quadrinhos e de um jogo de plafaforma. Não encontrei problemas relacionados a travamentos durante a gameplay no PS4. Talvez a animação do nosso personagem soe um pouco robotizada, mas os inimigos compensam essa pequena falha. O festival de balas, lasers, explosões presentes no jogo, além do visual do próprio personagem conforme personalizamos o mesmo, superam eventuais limitações.

VALE A PENA JOGAR?

Fury Unleashed é um jogo divertido. O que o torna especial, é a forma de acessibilidade aos mais novatos nesse estilo de game, não tornando o jogo “massante” como alguns roguelikes podem ser. Uma jogabilidade casual, muitas vezes é bem-vinda. Suas armas loucas, variedade de inimigos, de níveis, o ritmo da ação, todos os efeitos visuais presentes, tornam o jogo, uma experiência visual interessante. Recomento as players que buscam por um início mais fácil nesse universo dos jogos roguelikes onde a diversão é garantida.

Fury Unleashed - Um Roguelike em Quadrinhos - PS4 Review: Fury Unleashed é indicado aos novatos no estilo roguelike, com um visual interessante e jogabilidade divertida. - Vanessa Ferreiravanessaferreira
8
out of 10.
2020-10-14T12:23:06-0300

Gamernéfilos, comente aqui!

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.