Review | Kena: Bridge of Spirits no PS5
Análise de Review | Kena: Bridge of Spirits no PS5 — (Editado por MeUGAMER / reprodução Ember Lab)

Kena: Bridge of Spirits é um jogo de aventura em terceira pessoa chegando em 21 de setembro, para PS4, PS5 e PC. Sendo a primeira empreitada no mundo dos games do estúdio Ember Labs, empresa que até então é especializada em desenvolver animações com foco em ações publicitárias junto a marcas como Coca-Cola e KFC, por exemplo. Outro feito para o mundo dos games, foi o curta de animação para fãs de The Legend of Zelda: Majora’s Mask, intitulado Terrible Fate. Antes de começar nossa análise, informo que um gameplay está disponível ao final do artigo.

A Expectativa


O jogo chega como independente, contudo, com status de triple AAA, devido a massiva divulgado da Sony novo console, exibido em diversos eventos da empresa. E prometido, inicialmente, como um dos títulos da line-up de lançamento do PS5, porém, assim como diversas outras promessas, o jogo acabou sofrendo adiamentos, o que gerou uma janela de mais de um ano entre seu anúncio e o lançamento.
Enfim chegando em nossas mãos em breve, pudemos ter um vislumbre da experiência que este jogo nos proporcionará.
Durante toda a campanha de divulgação do jogo, um dos principais focos foram os visuais incríveis, justificados pela experiência anterior da desenvolvedora nesta área, praticamente um filme da Pixar, todavia “jogável”. E o jogo entrega isso, e muito mais.

Conhecendo o enredo


Com foco em exploração, resolução de puzzles (quebra-cabeças) e um combate ágil, logo somos apresentados ao enredo: Kena, uma guia espiritual, tem como principal papel conduzir os espíritos que estão com problemas em sua transição para o mundo espiritual, sendo estes causados por traumas ou assuntos não resolvidos ainda em vida. Estas “almas vagantes” acabam atormentando os vivos, o que faz o trabalho de Kena ser bem requisitado.

Kena também é a única pessoa capaz de acabar com a “corrupção” que aflige o mundo naqueles tempos, recuperando a pureza e beleza dos lugares restaurados. E pode colocar beleza nisso, com cenários muito bem trabalhados, é fácil se pegar girando a câmera em torno da personagem apenas para aproveitar os mínimos detalhes das florestas, vilas, templos e montanhas que exploramos ao longo de nossa jornada. Até mesmo as áreas corruptas, representadas por cores mais escuras, misturando tons de cinza e vermelho, possuem o seu charme.

Responsabilidades de Kena

Além de seu papel como guia espiritual, iniciamos a jornada com a protagonista em busca de um templo nas montanhas, este que possui uma vila, o hub central do jogo, em suas proximidades que se encontra tomada pela “corrupção”. É aqui que somos apresentados também a outro elemento principal do jogo, tanto em narrativa quanto gameplay, os Rots, criaturas pequeninas e bem carismáticas que ajudarão Kena tanto na exploração do ambiente, encontrando segredos e movendo estruturas, como também no combate, este é bem simples de se entender e bem divertido de ser colocado em prática. Contando com ataques fracos e fortes usando seu cajado, que também poderá ser utilizado como arco (trazendo aqui uma das principais aplicações dos gatilhos adaptáveis do DualSense), também temos a ajuda dos Rots que podem distrair inimigos, coletar itens que recuperam nossa energia e destruir os núcleos da “corrupção”, ela também conta com um escudo de energia que além da defesa, emite uma onda que ativa certos dispositivos.

Os Rots são os novos Ewoks

Podemos encontrar diversos Rots ao explorarmos o mundo do game, alguns destes escondidos no cenário, seja embaixo de pedras, em lanternas ou no meio de pedras. A quantidade de Rots está ligada diretamente à progressão da personagem, ao coletar uma certa quantidade a personagem chegará ao próximo nível, sendo possível aprender mais habilidades da árvore de progressão, esta dividida em duas, uma de Kena e outra dos Rots, que dá aos mesmos, mais habilidades.


Inicialmente os Rots não gostam muito de participar das batalhas, mas ao seguir com Kena e seu cajado é possível obter orbes de “coragem” estes que agem como “mana” para as ações dos Rots. Os pequeninos podem ser customizados equipando diversos chapéus, são encontrados através da exploração e comprados em lojas espalhadas pelo mapa, este sendo o único tipo de transação encontrado no jogo, não havendo nenhum tipo de micro transação. Os Rots são muito mais “fofos” em relação aos Ewoks de Star Wars, mas a curiosidade deles é inegável não compara-los.

Trilha sonora é original

A trilha sonora que acompanha toda a aventura faz um bom trabalho em guiar as emoções do jogador e o ritmo da narrativa, ambientando e complementando a experiência positivamente. A desenvolvedora tomou cuidados para não ser uma cópia de suas inspirações e trouxe algo realmente autêntico na sua mixagem.

Aventura curta, mas funcional


Apesar de não se considerar um jogo de mundo aberto, segundo afirmação da própria desenvolvedora, a exploração é encorajada por caminhos alternativos que possam levar à tesouros escondidos ou até mesmo outros Rots que não estejam nos caminhos principais da aventura.


Gamerdito (Veredito)

Embora, Kena: Bridge of Spirits representa um primeiro passo muito certeiro da Ember Labs nesse mundo dos games, o que gera expectativa para futuros títulos da desenvolvedora, que provou competência em mais uma área de atuação. Por ser a primeira empreitada da empresa, alguns pontos de melhoria ficam visíveis como a duração da história, algo em torno de 9 a 13 horas, além da física simplista em alguns momentos, principalmente na interação da personagem com elementos do cenário. Mostrando que a protagonista parece ser leve demais em alguns momentos, como saltar e esquivar e, a árvore de habilidades curta. Mas nenhum destes pontos tira o mérito deles em entregar uma história rica e divertida.


Pessoalmente, recomendo o jogo e fico ansioso por mais novidades do estúdio, que tem com certeza muito potencial a ser explorado, seja em uma sequência ou em novas IPs.

Nota 8/10.

*O jogo foi cedido pela Ember Lab para nossa análise, no entanto, isto não influenciou em nossa nota final.

Kena: Bridge of Spirits

Kena: Bridge of Spirits: Dos cinemas para os jogos, a qualidade das animações de cinema que marcaram nossas infâncias chegam aos games com Kena: Bridge of Spiritsfabiopmazzini
8
out of 10.
2021-09-21T01:00:00-0300

Gamernéfilos, comente aqui!

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.