Returnal é um jogo que chega com a responsabilidade de ser a primeira IP e exclusiva da Playstation Studios para essa nova geração. Com ar sombrio e um Sci-fi de terror. Até então, é o carro chefe desse ano. Talvez, o primeiro lançamento mais expressiva desse ano depois de alguns meses de ressaca —; em exclusivo do PS5. Bom! O enredo conta a história de Selene uma astronauta que se vê perdida em um planeta desconhecido, batizado de Atropos.

Acompanhe abaixo o vídeo review:

O Enredo

Começamos nossa aventura dentro de uma nave. A princípio não sabemos as reais motivações da personagem. Logo, sofremos um acidente e a nave acaba caindo em Atropos. Conforme exploramos vamos descobrindo um pouco mais a respeito do planeta e também a respeito das motivações que levaram a esse clima misterioso que permeia todo o ambiente e atmosfera do jogo. É válido se vai notar em alguns momentos até traz um clima de tensão. Você consegue perceber que o passado dela talvez não seja tão tranquilo assim.

O estilo envolvente de roguelite está aparente em cada vez que morremos é definitivo. No entanto, algumas melhorias que são temporárias durante o seu ciclo e outras melhorias que são permanentes que vão te auxiliando a cada vez mais atingir os níveis mais altos da história. O interessante é que Returnal, usa dessa mecânica de roguelite como parte do seu enredo. Ele justifica a mecânica mostrando a própria Selene encontrando corpos dela mesmo durante a jornada. O que faz com que ela se sinta confusa e ela entenda de forma bem rápida que ela está presa em “loop temporal” de vida e morte.

Entre cada uma dessas “Runs” você pega diversos itens que, humanizam mais o enredo como arquivos de áudio e flashbacks. As interações dos grifos com linguagem alienígena ou até mesmo hologramas, aprendemos mais sobre o planeta e suas civilizações.

A dinâmica

Housemarque famosa por desenvolver jogos que tem essa mecânica de Bullet Hell, fica um adento que durante nossa jornada nos vemos cercado de inimigos com balas por todos os lados. O que desafia o jogador uma habilidade de percepção e agilidade nos controles, com tomadas de decisões rápidas. Sendo um ponto crucial para sobrevivência ao decorrer de cada evento. Como mencionei anteriormente a morte ela é permanente. Procure levar o menor dano possível.

Ambientação e biomas

Ambientação do jogo revela biomas incríveis. Ele tem ao todo três biomas diferentes. Exceto partes específicas que estão ligadas ao enredo. Ele tem muito das sessões geradas de forma procedural. O que faz com que a campanha não seja enjoativa. Até porque é bem provável que você vai morrer muito nesse jogo e cada run. O fator randômico de geração tanto dos inimgios e quanto da geração de mapas é muito bem explorado. Realmente você não vê pequenas mudanças entre um reinício e outro, observamos mudanças drásticas. Além disso, mesmo não avançando nas próximas fases cada recomeço, é possível entender mais sobre a história, enriquecendo o enredo.

Jogabilidade é intensa

O gameplay é tão bem frenético e o uso de muitos recursos do PlayStation 5 como os recursos do Dualsense. Sentimos a vibração de impacto dos monstros quanto as gotas de chuva. Dependendo da área temos uma imersão pelo controle. E ele usa uma função importante que são os gatilhos adaptáveis, usando como mecânica. Geralmente quando nós estamos jogando um jogo de tiro, os controles básicos são segurar o L2 para mirar e apertar o R2 para atirar. Já em Returnal é necessário apertar até a metade, sentido a resistência do joystick. Sabendo diferenciar a pressão exercida no controle, caso pressione por completo ele utiliza o tiro alternativo da arma.

Admito que no começo isso causa um pouco de confusão. Estamos muito condicionado a apertar sempre o gatilho até o final para poder mirar enfim. Mas é questão de tempo para se adaptar.

A jogabilidade de tiro com a movimentação da personagem é muito fluida apesar de simples, não utilizamos todos os controles. Ela tem os recursos básicos que precisamos no shooter em terceira pessoa tais como: Dash, pulo duplo com jetpack. Combinando o pulo com dash para desviar de ataques.

Benefícios

A mecânica de colecionáveis de itens também é bem diversificada você tem diversas classificações diferentes artefatos, parasitas que são criaturas simular uma aranha. Esses ficam agarrados, em simultâneo, concedem benefício e um malefício. Os arterfatos tem seu lado positivo como melhoria e outros pode retardar seu progresso. O jogo faz um julgamento para cada escolha que o jogador faça, então, é natural escolher os itens de acordo. Esse processo pode ser percebido em jogos como Mass Effecct Andromeda da Bioware, dependendo da arma, armadura, biótica e tecnologia, existem prós e contra.

A grande importância em não morrer é que será necessário ajustar os itens avariados para que sua arma e ataques, como proteção tenha mais dano e receba menos impacto nos ataques. Para amenizar essas avarias é necessário completar algumas tarefas adicionais. Ao completar as tarefas as avarias são ajustadas e o jogador volta ter seus benefícios restaurados.

Caminhos alterativos para encontrar itens valiosos

Alguns caminhos nos levam em locais que se pode encontrar itens valiosos, contudo, toda via esses caminhos alternativos tem algumas consequências. Inimigo ainda mais brutais aparecem para atrapalhar nossa peregrinação. Isso causa um equilíbrio, para quando chegar algum chefe, não estejamos totalmente preparados no embate.

Seguir os itens encontrados nos caminhos alternativos, nos permitem ter algumas vantagens. Como melhoria de percepção e dano. Os consumíveis adquiridos, você precisa optar por levar somente um, até claro, você obtém itens mais para frente no jogo que vão permitir que você carregue vários consumíveis ao mesmo tempo.

Dificuldades e adaptação

A principal dificuldade de leitura não está realmente na adaptação aos controles. Essas mecânicas principalmente essa mecânica de mira e tiro que usa a pressão do analógico, mas as mecânicas de movimentação de posicionamento, aprender padrões de tiro. O jogo deixou muito claro que você tem que estar sempre de olho todo o seu entorno. Porque caso você fique focando em um único inimigo às vezes pode ter um inimigo atrás de você em cima de você. E assim, esse inimigo vai lhe causar um hit, seja algum daqueles em que a ação aconteça em seu campo de visão ou não.

Áudio 3D

Abuse da sensibilidade da tecnologia do áudio 3D, será seu grande aliado para perceber presenças de hostilidade. Essa tecnologia é muito bem empregada nesse jogo. Conseguimos identificar monstros acima traz fora da sua visão. Só pelo áudio do barulho emitido por eles. Proporcionando uma experiência única com o fone de ouvido, sendo quase indispensável. Tanto que o jogo avisa logo nos minutos iniciais.

Gráficos e desempenho

No que tange à nova geração, Returnal é classificado possível somente na geração atual. Primeiramente os recursos de gameplay. Toda ação acelerada, provavelmente presenciaríamos grandes quedas de desempenho no console do PS4. Visto os avanços tecnológicos entre as gerações. Implementar no atual console que utiliza tecnologia de carregamento com SSD, já é uma grande vantagem.

Em questões gráficas. O jogo ele está bem bonito. Com uso moderado de partículas e muito ray tracing. Nesse caso como os ambientes são muito escuros ele está presente no reflexo dos tiros das luzes que os monstros emitem em fumaças ou em áreas molhadas, em folhas, ou paredes que estejam molhadas.

Então isso brilha aos olhos e são recursos que são possíveis somente nessa geração. Se não tivesse esses recursos. Acredito que tirando ray tracing e a questão da tecnologia de áudio e também do controle. Nesse caso poderia encaixar na antiga geração. Embora, a fluidez, fosse um empecilho como mencionei anteriormente. Por mais que, passe muito rápido entre as salas não percebemos loading. E principalmente na questão das mortes você também nunca vai. Desde o momento que o inicia, exceto na primeira vez, que mexemos nas configurações de vídeo e áudio, notará carregamento.

Gamerdito (Veredito)

Por fim, estou contente pelo que presencei ao jogar! A proposta apresentou uma evolução desse estúdio. Espero muito que tenha um bom resultado um bom desempenho em vendas porque a produtora já se mostrou competente em jogos anteriores. A Sony futuramente passe a dedicar projetos maiores e mais ambiciosos para Housemarque. Não me deparei com algum bug gritante que tivesse estragado minha experiência e na imersão. Nossa revisão foi baseada antes do Patch Day 1. A atualização serve como uma versão final para correções de problemas técnicos no jogo. Returnal é uma franquia que para deixar seu nome no cenário dos amantes de roguelite.

Nota Geral: 8/10.

Returnal

*A cópia foi cedida pela Sony ao MeuGamer

Returnal: Esteja pronto para morrer diversas vezes e retornar cada vez mais experiente, nessa intrigante história de sci-fifabiopmazzini
8
out of 10.
2021-04-30T22:17:16-0300

Gamernéfilos, comente aqui!

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.